*Texto escrito pela convidada especial Ligia Bueno

Basta uma breve navegada na Internet, especialmente no LinkedIn, para verificar informações como o “cold call não é mais efetivo, agora as empresas precisam investir em marketing de conteúdo, para geração de leads qualificadas” – só para citar um exemplo.

O que isso nos diz especificamente sobre a área de vendas? O perfil dos compradores mudou. Agora eles estão mais conectados à Internet e às redes sociais. Eles querem dinamismo e relações de confiança, ou seja, não querem ser simplesmente abordados por vendedores, querem soluções para “as suas dores”. Faz sentido? Claro que faz! Mas discutir estratégias de vendas não é o objetivo neste momento, mas falar de segurança.

Quando uma empresa recebe um primeiro contato de alguém querendo ofertar produtos e serviços, em algum momento pode ocorrer de este primeiro contato não ocorrer com a pessoa ou departamento corretos. Pode acontecer da área de RH ou do Departamento Financeiro receber um telefonema ou e-mail (para aqueles que ainda se utilizam de “cold call” em suas abordagens), e a resposta que darão para o vendedor será: “Você ligou no departamento errado e precisa fazer contato com outra pessoa.

Continua a fazer sentido? Sim. A grande surpresa para muitos é de que isso só faz sentido caso o vendedor não esteja entrando em contato para falar de segurança cibernética, pois do contrário, esse é um assunto que interessa a qualquer colaborador da companhia em algum nível. Lembra que eu disse que as estratégias mudaram porque o público mudou e agora todos estão constantemente conectados? É disso que estou falando!

Todos os dias temos a possibilidade de pesquisar rapidamente no Google notícias relacionadas à invasão, ataques de hackers e coisas do gênero. A boa notícia é que essas notícias têm chamado a atenção de todos, não somente profissionais de TI, e com isso, cada vez mais pessoas têm se interessado pelo tema. A má notícia é que, com os avanços tecnológicos, a tendência destes ataques é aumentar em número e frequência e se tornarem cada vez mais sofisticados. Temos ainda uma péssima notícia: você leitor está sendo constantemente atacado e estão utilizando pessoas da sua confiança para isso.

Somente nesse fim de semana recebi duas mensagens no meu WhatsApp. Irei transcrevê-las aqui e aposto que você recebeu uma delas:

  1. Pessoal a GOL está dando passagens grátis nesse final de ano, corre que a promoção vai durar pouco tempo! 👉 http://voedegol.com/?promocao

As pessoas mais desconfiadas não clicam justamente por achar que “quando a oferta é demais, o santo desconfia”. Mas sabe qual é o problema dessa mensagem? Eu recebi de um colaborador da empresa na qual trabalho. Se você recebe isso de alguém que conhece e confia, imediatamente vai achar que é alguma informação que só ele tem, então, imediatamente clicará no link para garantir o benefício.

O que me chamou a atenção de prontidão? O endereço voedegol. Antes mesmo de falar com a pessoa, consultei o site oficial da empresa e é voegol. Essa foi por pouco!

  1. Hey, Natal chegou e o Boticário esta presenteando você com um Kit Natal com um perfume e um creme de pele. Para pegar seu kit acesse o site oficial da Boticário: http://0boticario.com

Essa também é problemática e ultimamente essa empresa tornou-se o principal alvo para criação desse tipo de campanha. Na semana anterior eu também havia recebido uma mensagem falando sobre outra campanha na qual o Boticário estava oferecendo produtos gratuitos em suas lojas, tendo sido, inclusive, noticiado no site UOL.

Qual é o problema dessa campanha em questão e por que o Boticário virou alvo? Porque o grupo já fez ações verdadeiras nesse sentido. Eu já fui beneficiada por tais ações, inclusive, e os criminosos cibernéticos viram nisso um gancho para atuarem. Se a empresa já ofereceu produtos gratuitamente e pessoas como eu, foram beneficiadas por esta ação, então a lógica é nos sentirmos confiantes para clicar no link. Mas como identificar o problema nesse link? Esse não é o site oficial da empresa.

Se você tem recebido informações do gênero em suas redes sociais, recomendo fortemente que antes de clicar no link, entre no site oficial da empresa, em suas páginas no Facebook, enfim, pesquisem a veracidade da informação. Se você clicar, trata-se de um link malicioso que permitirá acesso ao seu celular para roubo de dados confidenciais através de Malwares (programa de computador malicioso cujo objetivo é se infiltrar e infectar sistemas, causando danos e roubando informações).

A segurança cibernética não é e jamais poderá ser tratada como um tema exclusivo para a TI (Tecnologia da Informação), uma vez que, tanto na nossa vida pessoal quanto profissional, afeta a todos nós. Temos que ter atenção redobrada com toda a comunicação que recebemos.

Agora, em relação ao mundo corporativo, quando você inicia suas atividades em uma empresa, qual é a primeira coisa que lhe é solicitada? Seus dados pessoais, certo? Pois bem, se essa empresa tiver seus dados sequestrados, o seu nome completo, sua documentação, seu endereço residencial, suas informações bancárias, informações de seus filhos, cargo, salário e até o informativo para declaração de imposto de renda – tudo o que estiver em posse do RH – irá junto.

Além disso, caso sua empresa tenha os dados criptografados, e com isso, perca o acesso aos mesmos, se a companhia não tiver um backup eficiente para continuar operando, ela simplesmente para. Por isso reflita:

RH: Pense em como seria não poder rodar a folha a tempo, para enviar ao banco as informações dos pagamentos dos colaboradores. Já imaginou todos os salários atrasados, simplesmente porque você não tem a informação de quanto cada um deverá receber? Você está preparado para lidar com isso?

Vendas: Você trabalha com metas certo? Quem é de vendas não conta com salário fixo, mas sim com a comissão. Como seria simplesmente não ter como vender – sua carteira de clientes está perdida, e ainda que a tenha, a empresa não consegue precificar, gerar notas, emitir pedidos – por não conseguir gerar as vendas? Logo você começa a perder seus clientes para os concorrentes e não só a credibilidade da empresa cai mas também a sua.

Cobrança: Imagine não poder cobrar de seus clientes justamente no momento em que a empresa mais precisa do recebimento de valores para se recuperar desse golpe porque simplesmente não sabe mais quem e quanto lhe devem?

Financeiro: Você que, direta ou indiretamente, vetou os projetos que a TI lhe trouxe relacionadas a esse tema, se vê em uma situação bem complicada, porque as perdas financeiras são inúmeras:

  • Vocês precisam definir se o valor cobrado (geralmente quantias exorbitantes em Bitcoins) para resgate dos dados será pago. Mesmo que paguem, não há garantia de recuperação dos mesmos
  • Precisarão investir em TI para corrigir as falhas de vulnerabilidade para que o atacante perca o acesso ao sistema
  • Precisarão investir em novas soluções de TI para impedir novos ataques
  • Haverá uma perda considerável por cada dia em que a empresa ficar parada
  • Se isso vazar, a reputação da empresa será afetada, e com isso, ela perderá mercado, diminuindo o valor de entrada

Esta lista continua e é imensa!

Sim, o mercado mudou, as regras de negócio também. Já não podemos mais atuar em velhos moldes, pois estes já não nos servem. É preciso que estejamos sempre atualizados com aquilo que se refere à nossa profissão e ramo de atividade, mas também àquilo que direta ou indiretamente nos afeta.

Pesquise, se atualize, converse! Utilize o networking não só para identificar novas oportunidades de negócio mas também para agregar e compartilhar conhecimento. Sozinhos, podemos estar cheios de perguntas, mas juntos, seremos capazes de encontrar as respostas!

 

Gostou? Ligia Bueno trabalha com vendas há 17 anos e com soluções tecnológicas há sete anos. Formada em Letras, sempre teve interesse pela área de TI e atualmente trabalha na Wizlynx Brasil.

Anúncios